O diastema é um espaçamento excessivo entre dois ou mais dentes, geralmente observado nos dentes frontais da arcada superior – embora possa existir também entre outros dentes.

Este “vão” divide opiniões: há quem o considere um desajuste na harmonia do sorriso e fique incomodado; e há quem o considera um charme, uma característica única de um sorriso único e especial.

São várias as possíveis causas para o diastema: má formação dos dentes incisivos, variações no tamanho e alinhamento dos dentes, ausência de algum dente, alguma anormalidade no freio labial, hábito de chupar os dedos, chupeta ou mamadeira por longo tempo, entre outras.

É comum também que crianças apresentem espaçamento entre os dentes logo após perderem os dentes de leite. Porém, com o surgimento dos permanentes, geralmente estes espaços se fecham.

A língua, quando pressiona muito os dentes, pode provocar espaços ou falhas entre eles. Doenças gengivais como a periodontite também podem levar à perda do osso que suporta os dentes que, enfraquecidos, podem entortar-se e espaçar-se.

Existem várias opções de tratamentos para reduzir o diastema. Na maior parte das vezes a correção é feita por tratamento ortodôntico, com uso de aparelho para corrigir a posição dos dentes.

Próteses dentárias fixas, em suas variadas formas (facetas, lentes de contato, coroas ou pontes) também podem ser utilizadas para corrigir o diastema. A aplicação de resina para remodelar os dentes também pode ser utilizada, embora seja uma opção mais frágil.

Quando a causa do diastema é alguma anormalidade no freio labial, pode-se recorrer à frenectomia, uma pequena cirurgia para corte do freio, o que facilita o reposicionamento correto dos dentes.

O diastema não precisa, em absoluto, ser sinônimo de problema nem descontentamento. Se ele é um incômodo para você, consulte seu dentista e veja qual é a melhor orientação para o seu caso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *